A maior geradora de energia limpa e renovável do planeta

Sala de Imprensa
Para confederação, apoio da Itaipu e BNDES é um marco histórico
Tamanho da letra
21/10/2013


Brasileiro de Canoagem Slalom no Canal Itaipu: Itaipu e BNDES dão suporte à modalidade.
  
O Campeonato Brasileiro de Canoagem Slalom, que terminou na tarde deste domingo (20), no Canal Itaipu, em Foz do Iguaçu, foi um grande atrativo não apenas para atletas, equipe técnica e federações. Observando tudo de perto, os patrocinadores também tiveram muito interesse no evento – uma grande oportunidade para ver na prática se as parcerias estão sendo bem desenvolvidas.

Organização, visibilidade da marca e nível técnico são alguns dos aspectos observados. “Todos aprovados”, disse Gustavo Borges Costa, assessor da presidência do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), presente nos três dias de competição. Além de patrocinar o campeonato, o BNDES também apoia a Equipe Permanente de Canoagem Slalom.

O diretor-geral brasileiro da Itaipu, Jorge Samek, também esteve no local. “É bom ver tudo isso dando certo”, ressaltou, enquanto observava as finais. A binacional construiu e deixa à disposição dos atletas a melhor pista de canoagem slalom da América Latina, o Canal Itaipu.

Segundo Samek, as empresas, inclusive as estatais, ainda têm muito a fazer pelo esporte. “O esporte promove a saúde e a socialização e, não bastasse isso, agora o Brasil ainda tem a responsabilidade enorme de sediar uma Olimpíada daqui a três anos. Vemos um esforço monumental para colocar o País no nível dos grandes competidores internacionais, e a Itaipu tem orgulho de fazer parte disso.”

BNDES, Itaipu e Ministério do Esporte são os patrocinadores oficiais da canoagem brasileira.

Antes e depois de Itaipu e BNDES

De acordo com o superintendente da Confederação Brasileira de Canoagem (CBCa), Argos Rodrigues, a história da canoagem slalom no Brasil se divide em três momentos. “O primeiro é antes da construção do Canal Itaipu, quando éramos apenas meros participantes, sem grandes pretensões em eventos no exterior”, ressaltou.

“O segundo veio com esta pista [Canal Itaipu], que nos deu condições de treinar em um nível mais alto, de obter um melhor desempenho e de trazer grandes eventos para o Brasil”, disse.

O terceiro, segundo Rodrigues, é o ingresso do BNDES como patrocinador, dando todo o suporte (como o custeio de alojamento, hospedagem, acompanhamento nutricional, academia e equipamentos de ponta, entre outros) para desenvolver um projeto para a conquista de bons resultados em um esporte de alto rendimento, como a canoagem.

Os resultados já aparecem. “Agora começamos a ter condições de disputar lá fora”, afirmou Rodrigues. “Antes era inimaginável chegarmos a alguma semifinal de um Mundial. Atualmente, chegamos às finais. A Ana Sátila acaba de ganhar uma medalha de bronze no Mundial Júnior [na Eslováquia, em julho deste ano].”

Escolha criteriosa

Em 2010, quando decidiu apoiar o esporte de uma forma mais direta, o BNDES ainda não sabia qual a melhor forma de fazer isso e nem a qual modalidade se dedicar. A escolha da canoagem, segundo Costa, foi muito criteriosa. “Elaboramos um plano e a primeira ação foi buscar a ajuda do Ministério do Esporte, com sua capacidade técnica, para nos auxiliar nesse processo e trabalhar com a Lei de Incentivo ao Esporte”, recordou.

A segunda iniciativa, de acordo com Costa, foi eleger uma modalidade para concentrar esforços e conseguir a maior eficiência possível em termos de resultado. “Fizemos então um estudo de todas as 33 modalidades que estiveram na Olimpíada de Pequim, em 2008, com 12 parâmetros diferentes, para identificar em quais dessas modalidades teríamos maior chance de obter os resultados que queríamos”, explicou.

Diversos aspectos foram avaliados. “Por exemplo, se a modalidade estivesse em um patamar de desenvolvimento muito elevado, haveria pouco espaço para fazermos diferença com o nosso apoio”, afirmou. “Também observamos o nível de organização e o impacto ambiental do esporte, entre outros fatores.”

No final, a canoagem ficou muito bem posicionada. “Além disso, era uma modalidade que não tinha o patrocínio direto de nenhuma empresa estatal, então vimos uma possibilidade interessante e entramos em contato com a CBCa, para elaborarmos um plano estratégico de apoio, com o objetivo de mudar o patamar competitivo”, concluiu.

O BNDES é patrocinador oficial da canoagem brasileira desde 2011, quando repassou R$ 2 milhões para a implantação da Equipe Permanente de Canoagem Slalom, que reúne os 16 melhores atletas do Brasil na modalidade, em Foz do Iguaçu. No começo de setembro, a entidade aprovou o repasse de R$ 6,2 milhões para a criação de um centro de treinamento de velocidade em canoa, em São Paulo, e também para manter por mais 12 meses a Equipe Permanente de Canoagem Slalom.