A maior geradora de energia limpa e renovável do planeta

Institucional
Em Itaipu, ministro Sergio Moro apresenta projeto de integração de forças policiais da fronteira
Tamanho da letra
06/11/2019

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, apresentou, no final da tarde desta quarta-feira (6), no Parque Tecnológico Itaipu (PTI), o projeto de implantação do Centro Integrado de Operações de Fronteira (CIOF), que será instalado nesse mesmo local, dentro da usina de Itaipu, em Foz do Iguaçu. A inauguração está prevista para o próximo dia 13 de dezembro.


Ministro Sergio Moro fala na abertura da Reunião. Foto: Sara Cheida/Itaipu Binacional

A apresentação foi feita para os participantes da 50ª Reunião de Ministros da Justiça e 44ª Reunião de Ministros do Interior e Segurança do Mercosul e Estados Associados, que acontece na Itaipu nesta quarta e quinta-feira (6 e 7). Técnicos dos ministérios participam de reuniões preparatórias desde a última segunda-feira (4).

A reunião ocorre durante a presidência temporária do Brasil no bloco regional. Durante a tarde, Moro e o diretor-geral brasileiro da Itaipu, general Joaquim Silva e Luna, receberam as principais autoridades participantes do encontro e fizeram uma visita técnica às instalações da usina.

O ministro agradeceu à Itaipu pela parceria na realização do evento e na concretização do CIOF. “Não teria melhor lugar para realizar esse encontro. Esta é uma das fronteiras mais emblemáticas do Brasil e é um lugar em que a integração em termos de segurança pública sempre funcionou muito bem. Daí a escolha do local para abrigar esse centro integrado.”


General Silva e Luna e ministro Sérgio Moro na Itaipu. Foto: Sara Cheida/Itaipu Binacional.

Durante as boas-vindas, o general Silva e Luna destacou a importância estratégica de Itaipu para o Brasil e o Paraguai e ressaltou que a segurança é um tema de suma importância para a empresa. “É um assunto que nos aproxima”, assegurou o diretor-geral brasileiro.

O Centro

A proposta do Centro, inspirado no modelo norte-americano conhecido como Fusion Center, é integrar dados e informações das diversas forças de segurança e inteligência que atuam na região de fronteira, tanto da esfera federal como estadual. O objetivo é promover, diuturnamente, a coleta, análise, produção de conhecimento e divulgação de informações relevantes, que possam contribuir com o combate ao crime.

A atuação do órgão também inclui o compartilhamento de ferramentas de investigação e a coordenação de ações e operações de interesse coletivo dos órgãos integrantes. Para isso, são estabelecidas rotinas de operações policiais ostensivas de fronteira e de prevenção e repressão ao crime organizado.

Moro aproveitou a oportunidade de contar com a presença de representantes de forças policiais e de governos das nações vizinhas para defender uma maior integração entre os países. O ministro destacou que, durante a presidência temporária do Brasil, foi fechado um novo acordo que trata da perseguição policial nas áreas de fronteira.


Apresentação do Fusion Center no PTI. Foto: Kiko Sierich/PTI.

“Esse acordo deixa claro que as fronteiras não devem servir como obstáculo. Precisamos superar aquela ideia dos velhos filmes de faroeste em que a perseguição aos criminosos se encerrava na fronteira, no caso entre o México e os Estados Unidos, normalmente após a travessia de um rio. Agora vamos ter um instrumento, que ainda precisa da aprovação dos parlamentos, mas que é um passo importante para que a fronteira não seja mais um muro de impunidade para os criminosos”, disse.

E também defendeu uma maior integração no combate aos crimes cibernéticos. “Essa é uma preocupação em todo o mundo. É um tipo de crime que com muita facilidade transcende as fronteiras e em que podemos aprofundar nossa cooperação”, concluiu.

Participaram do encontro a vice-ministra de Justiça da Argentina, Maria Fernanda Rodríguez; ministro do Interior do Paraguai, Euclides Acevedo; ministro da Secretaria Nacional Antidrogas do Paraguai, Arnaldo Euclides Benítez; a vice-ministra da Justiça do Paraguai, Cecilia Perez; a representante da ministra do Interior da Argentina, Mariana Agnolin; a representante do Ministro do Interior do Uruguai, Alejandra Alvares; o representante do ministro do Interior da Bolívia, Nelson Rosso; o representante do ministro da Justiça da Bolívia, Rimac Brisa Gambarte; e o representante do ministro da Segurança Pública da Guiana, Paul Williams.