A maior geradora de energia limpa e renovável do planeta

Gazeta do Povo - PR
Universidade da fronteira começa a ser formatada
Tamanho da letra
29/10/2007

A Universidade da Masorregião da Fronteira Sul começa a ser formatada, segundo notícia publicada nesta segunda-feira (29) no jornal Gazeta do Povo. A comissão, nomeada na última quarta-feira (24) pelo Ministério da Educação (MEC), já tem agendadas as datas para iniciar o debate sobre a formação da instituição. Contando com participação de membros da Universidade Federal do Paraná (UFPR), o grupo se reúne pela primeira vez no dia 23 de novembro, em Santa Maria, no Rio Grande do Sul. A instituição fará parte da futura Universidade do Mercosul, com campi no Sudoeste do Paraná, no Oeste de Santa Catarina e Norte do Rio Grande do Sul.

 

Até janeiro, o grupo terá outros três encontros para definir o projeto a ser apreciado pelos poderes Legislativo e Executivo. Inicialmente, a instituição terá 14 cursos de graduação, com 1,4 mil vagas. Até o final da implantação serão 30 cursos de graduação, pós-graduação e extensão. A instituição será a parte brasileira da futura Universidade do Mercosul, projeto comum do bloco, ainda inviabilizado por diferenças nas legislações dos países-membros.

 

A estratégia de criar os campus inicialmente em separado surgiu em 2006, em reunião na Itaipu Binacional. Como informa o professor Antônio Carlos Gondin, assessor de Relações Internacionais da UFPR, na ocasião, os ministros da Educação concordaram que ficaria a cargo de cada país criar a sua universidade, para não começar já com uma do bloco.

 

Segundo Gondin, para a implantação da Universidade do Mercosul seria necessário o aval de todos os países. No entanto, o Uruguai e o Paraguai teriam dificuldades para criarem suas unidades. O primeiro país porque não é facultado ao seu Ministério da Educação criar tais instituições. Já para o segundo o problema seria a dificuldade financeira em constituir uma universidade, já que não há previsão de verba no orçamento do país.

 

Desta forma, foi dada aos ministros a prerrogativa de encaminhar a criação em separado. “Foi esta a saída. Esta universidade seria a parte brasileira da Universidade do Mercosul”, explica Gondin em entrevista à Gazeta do Povo. Em razão da infra-estrutura e da localização privilegiada, a intenção é implantar a Universidade do Mercosul no Parque Tecnológico de Itaipu (PTI), o que também beneficiaria o Paraguai.

 

Ainda conforme o professor, seria necessário discutir questões como currículos e professores. “Mas o Ministério da Educação já tem no orçamento recursos para a Universidade do Mercosul que teria logicamente um enfoque para a participação na integração dos países do bloco”, explica.