A maior geradora de energia limpa e renovável do planeta

Jornal da Cidade - Bauru
As sete maravilhas
Tamanho da letra
24/04/2008

As Cataratas do Iguaçu é uma forte candidata a figurar como uma das novas “Sete Maravilhas da Natureza”, concurso lançado pela fundação suíça New7Wonders. No ano passado a instituição promoveu o concurso que elegeu o Cristo Redentor, no Rio de Janeiro, como uma das “Novas Sete Maravilhas do Mundo” construídas pelo homem.

 

A beleza natural das cataratas foi tombada em 1986 pela Unesco como Patrimônio Natural da Humanidade. O atrativo turístico atrai anualmente milhares de turistas, tanto no território argentino (onde ficam a maioria das quedas d’água) quanto do lado brasileiro (em que se obtêm os mais belos panoramas). Além dos países latinos, visitantes do mundo inteiro anseiam por conhecer o maior e o mais belo conjunto de quedas d’água do planeta.

 

As cataratas fazem parte do Parque Nacional do Iguaçu, a maior reserva de floresta pluvial subtropical do mundo. Formada a aproximadamente 150 milhões de anos, a água das cataratas tem 275 quedas, com uma altura superior a 75 metros ao longo de 2,7 quilômetros do rio Iguaçu. A Garganta do Diabo é a maior, mais majestosa e impressionante de todas as quedas. Possui 150 metros de largura e quase 90 de altura.

 

Viajar para Foz de férias, portanto, sempre é bom e exibe bem mais que cinco dias, pois a diversidade de atrativos é grande.

 

Os saltos Floriano, Deodoro e Benjamin Constant são os maiores do lado brasileiro e os demais são do lado argentino. Para avistá-los, os visitantes têm à disposição 2 mil metros de passarelas no lado brasileiro, que oferece visão ampla.

 

Confira a seguir o que mais a cidade reserva.

 

Parque Nacional Iguaçu

Tombado em 1986 pela Unesco como Patrimônio Natural da Humanidade, o Parque Nacional possui extensão de 185 mil hectares do lado brasileiro e 67 hectares do lado argentino, guardando uma diversidade enorme da fauna e da flora existentes no Brasil. O rio Iguaçu, que nasce em Curitiba, percorre seus últimos 50 quilômetros dentro do parque até formar as grandes quedas d’água.

Macuco Safári

O passeio de barco do Macuco Safári é uma das atividades criadas dentro do Parque que consegue proporcionar adrenalina e relaxamento ao mesmo tempo. Depois de passar pelo centro de visitante e ficar sabendo como vai ser feito o passeio, o turista sobe num carrinho elétrico que vai percorrer uma trilha de três quilômetros, apreciando a fauna e a flora do parque.

 

No cais, os turistas recebem instruções, pegam suas capas plásticas, coletes salva-vidas e proteção para equipamentos eletrônicos, entram no barco inflável bimotor e vão viver uma fantástica aventura.

 

As primeiras quedas avistadas são os saltos chamados de “Três Mosqueteiros”. Ali o piloto manobra e aproxima o barco o suficiente para proporcionar um rápido e divertido banho nos passageiros. É o “batizado” nas quedas. Depois vem o retorno nas corredeiras agitadas do rio Iguaçu, até chegar num grande remanso.

No topo das árvores

A empresa Campo de Desafios Cânion Iguaçu construiu um recanto de muita adrenalina para pessoas de todas as idades. No campo do arvorismo, os visitantes vencem seus medos e sobem 12 metros de altura, passando de um elemento para outro, seja pendurado, caminhando ou como se fosse uma aranha nos emaranhados de corda , podendo, no final, se jogar numa tirolesa de 25 metros.

Poço Preto

Mesclado com aventura e o despertar das sensações, o passeio no atrativo Poço Preto atrai os turistas pela variedade de atividades que é composto. São oferecidas trilhas de bicicleta e triciclo, contato com a fauna e a flora e passeios em barco bimotor que leva a um arquipélago com mais de 40 ilhas. Nesse local, todos saem do barco e em duplas partem em caiaques pelas correntezas do rio, já na parte superior das cataratas.

Parque das Aves

O Parque das Aves, no portão de entrada do Parque Nacional do Iguaçu, guarda mais de 900 aves de 180 espécies. Formando uma miscelânea de cores e sons. As aves brasileiras predominam.

Itaipu Binacional

Foz conta com a maior hidrelétrica do planeta: a Itaipu Binacional, que, além de gerar energia, promoveu um amplo trabalho social e de recuperação do ecossistema em torno de seu reservatório.

Etnias e a Mesquita

Brasileiros, libaneses, paraguaios, argentinos... Mais de 72 etnias convivem na tríplice fronteira. Devido ao grande número de islâmicos que vivem em Foz, não poderia faltar uma mesquita, obra grandiosa que chama atenção de qualquer ponto da cidade.

 

Com o nome de um dos mais íntegros homens da história muçulmana, Omar Ibn Al-Khatab, o templo é ornamentado com arabescos, figuras geométricas em desenhos perfeitos e unificados e paredes com versículos do Alcorão (livro sagrado dos muçulmanos).

Templo Budista

Em meio a tantas etnias, não poderia faltar a religiosidade e paz na contemplação do Templo Budista. A comunidade chinesa construiu um enorme templo com 2.500 metros, que é sede oficial do líder religioso. Conta com cinco grandes esculturas colocadas sobre altares, representando o Grande Voto, a Suprema Felicidade, o Mestre da Medicina, a Grande Compaixão e “Sakyamuni”, também conhecido como o mestre fundamental. O acesso é restrito.

Réplica de Buda

O Templo Budista é considerado o maior templo e um dos mais importantes centros de estudos e meditação do budismo na América Latina. A atração principal é a réplica de concreto de Mi La Pu-san, o famoso Buda sentado. Tem sete metros de altura desde a sua base. No jardim há, também, 120 estatuetas distribuídas ao lado do templo, sendo 108 idênticas, com 2,5 metros, todas alinhadas em direção ao pôr-do-sol.

Catedral de São João Batista

Já a Catedral São João Batista ajuda a contar a história de Foz desde os primórdios. Hoje ela se tornou um marco de referência e atração religiosa de muitos turistas que visitam a cidade. A igreja foi oficialmente inaugurada em 1952.

Maiores do mundo

As cataratas têm vazão média de 1.500 m3 por segundo e extensão de 2,7 quilômetros em territórios brasileiro e argentino. São as maiores do mundo em extensão, com um volume de água, em média, de 10 milhões de litros por segundo, quantia que na estação das cheias pode ser triplicado, encobrindo até mesmo as passarelas, que ficam interditadas. As cataratas, que fazem parte do Parque Nacional do Iguaçu, são agrupadas em conjuntos de quedas. O principal concentra 11 saltos, entre eles, o mais famoso, a Garganta do Diabo, com 90 metros de altura, o mais fotografado e filmado pelos visitantes.

Coração do Mercosul

A região onde fica Foz é considerada o coração pulsante-econômico do Mercosul: fronteiras do Brasil, Argentina e Paraguai. Conta com o terceiro maior parque hoteleiro do Brasil, variedade gastronômica, ecletismo cultural e étnico – não deixe de visitar a mesquita e o templo budista de Foz – vida noturna agitada (no Teatro Plaza Foz vem sendo encenado um espetáculo que reúne a música dos três países como a guarânia, o samba e o tango, uma bem estruturada infra-estrutura de serviços, meios de locomoção que levam os turistas para compras em Puerto Iguazú (Argentina) e Ciudad del Este (Paraguai), cassinos e excelência em turismo de eventos.

O lago de Itaipu

O lago Itaipu, com 1,35 mil quilômetros quadrados liga, como uma ponte aquática, Foz a 14 cidades. Somente no lado brasileiro são 1.400 mil km de costa, com sete praias artificiais e seis bases náuticas.

Temporada boa em Foz

Visando melhorar a ocupação da infra-estrutura hoteleira e turística de Foz do Iguaçu, a Secretaria Municipal de Turismo, o Iguassu Convention & Visitors Bureau (ICVB) e a Itaipu Binacional lançaram a campanha Temporada Boa em Foz. O Sindihotéis e a ABIH também apóiam a iniciativa.

 

Até 30 de junho, para o turista que comprar um pacote de cinco diárias, a quinta diária vai ser grátis. Também em junho será realizado em Foz, de 25 a 28 de junho, um dos mais importantes festivais de turismo internacionais: O Festival Internacional do Mercosul, que conta com apoio do Ministério do Turismo, Abih e TAM. Mais informações pelo site www.festivalinternacional.com.