A maior geradora de energia limpa e renovável do planeta

Gazeta do Iguaçu - PR
Refúgio Biológico comemora 25º aniversário
Tamanho da letra
01/07/2009

Nesta quarta-feira, dia 1º de junho, as comemorações dos 25 anos de criação do Refúgio Biológico de Itaipu marcam a importante contribuição da Binacional na preservação do meio ambiente da região.
   
Local de calmaria, ar fresco e contato com o mundo animal, o  refúgio foi criado inicialmente para abrigar os animais recolhidos da operação Mymba-kuera (ou "caça-bicho", em tupi-guarani), após a formação do Lago de Itaipu. Hoje o espaço é admirado pela comunidade escolar, centros de pesquisa e ONGs internacionais. Segundo o gerente da Divisão de Áreas Protegidas, Edson Zanlorensi, o próximo passo é tornar-se uma unidade de conservação, de acordo com os critérios do Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC). Este processo, segundo ele, abrirá espaço para se criar planos de manejo e definir as áreas de valor intangível, de recuperação ou de uso especial.
  

 Infraestrutura

O refúgio cria e reproduz espécies ameaçadas de extinção. E todos podem ser observados em seus habitats – em um grande zoológico, um criadouro impecável e um moderno hospital veterinário. São 81 espécies, entre mamíferos, aves, répteis e um anfíbio, num total de 388 animais. Treze delas — arara-canindé e a harpia, e o mamífero cervo-do-pantanal — já foram reproduzidas com sucesso.
  
última grande conquista foi a reprodução da harpia, um filhote se desenvolveu e há esperança de que a família cresça nos próximos meses. Outros desafios também se voltam para a reprodução da onça-pintada e do tamanduá-bandeira.

Segundo Sebastião Nogueira, responsável pela administração, o setor de fauna é referência no Brasil. Hoje, além dos programas de preservação, o refúgio administra a produção de peixes nos tanques-redes do portinho, e a reprodução no Canal da Piracema. Na área de flora, existe um programa de plantas medicinais, um banco de germoplasma e a produção de mudas usadas na arborização da usina. Foram 24 milhões de mudas produzidas pelo refúgio para formar os atuais 29,5 mil hectares de faixa de proteção.