A maior geradora de energia limpa e renovável do planeta

Gazeta do Iguaçu - PR
Municípios do Oeste serão representados na 1ª Conseg
Tamanho da letra
26/08/2009

Embora nenhuma cidade da Região Oeste estivesse credenciada pelo Ministério da Justiça a realizar conferências eletivas, os 14 municípios pertencentes à Diocese de Foz do Iguaçu, entre eles, Santa Terezinha de Itaipu, Medianeira, São Miguel do Iguaçu, Missal, Santa Helena, Matelândia e Serranópolis do Iguaçu contarão com quatro representantes na 1ª Conferência Nacional de Segurança Pública (1ª Conseg), que será realizada de amanhã até sábado, em Brasília (DF). Essas pessoas serão as responsáveis por levar à instância nacional do debate, as necessidades da região, sobretudo, da fronteira, e também, sugestões para a promoção da segurança nestas 14 cidades. Além dos representantes do Oeste, outros 70 delegados paranaenses estarão presentes na fase nacional. Todos representantes foram eleitos na etapa estadual do debate, que aconteceu em julho, na capital, Curitiba.
  
Os municípios pertencentes à diocese terão como porta-vozes de suas reivindicações Gladis Mirtha Baez, coordenadora do Programa de Segurança Pública e Proteção Civil, da Itaipu Binacional; a presidente do Conselho da Comunidade de Foz do Iguaçu, Luciane Ferreira; a policial militar Sirlei Eleodoro da Silva; e o presidente do Conselho Municipal de Segurança Pública de Medianeira, Moacir Barbieri.
 

Mobilização

Segundo Luciane, apesar de estarem em número reduzido, vão levar as necessidades locais ao governo federal. "Conseguimos ser eleitos devido à grande mobilização e a número de conferências realizadas no Oeste. Somente em Foz do Iguaçu, foram cinco", explicou. Do contrário, seriam apenas ouvintes na etapa nacional da discussão. No entendimento da presidente do Conselho da Comunidade, as autoridades destes municípios não podiam permitir que uma região atípica como esta, ficasse sem apresentar suas necessidades e sugestões de combate à criminalidade. "Foi um trabalho de formiguinha, mas conseguimos ser eleitos. Teremos uma política nacional de segurança pública voltada para a fronteira", destacou.
  
De acordo com Gladis Mirtha, a conferência é uma iniciativa inédita e corajosa por parte do governo federal, pois pela primeira vez, deu oportunidade para a sociedade civil apresentar seus problemas e sugestões, a fim de melhorar a qualidade de vida dos brasileiros. "A nossa expectativa é que a discussão caminhe no sentido de fixar uma política eficaz e eficiente", afirma.
  
Conforme explicou Joel de Lima, assistente do diretor-geral brasileiro da Itaipu Binacional, Jorge Samek, graças ao apoio da empresa, foi possível promover conferências em oito cidades. "O apoio à diocese ocorreu devido a Itaipu entender a importância do tema". Na avaliação de Lima, não adianta investir em ações de desenvolvimento, sem antes focar na segurança pública.