A maior geradora de energia limpa e renovável do planeta

AEN - Agência Estadual de Notícias - PR
Latinoware se firma como um dos maiores eventos para SL
Tamanho da letra
04/11/2008

Dividir para multiplicar. A fórmula é do diretor de Serviços IP e Multimídia da Companhia de Informática do Paraná (Celepar), Cláudio Crossetti Dutra, defendida durante a V Conferência Latino-Americana de Software Livre (Latinoware 2008), encerrada no final de semana em Foz do Iguaçu.

 

Durante quatro dias, mais de 3 mil usuários, desenvolvedores, estudantes e empresários do setor de tecnologia da informação e comunicação de vários países discutiram os avanços dos programas de computador de código aberto nos setores público e privado, no encontro promovido pela Itaipu Binacional, Celepar e Serviço Federal de Processamento de dados (Serpro).

 

Segundo Dutra, no mundo do software livre quanto mais as experiências e códigos são compartilhados entre usuários e desenvolvedores, mais se multiplicam as soluções tecnológicas. “É por isso, que o Governo do Paraná disponibiliza à comunidade os códigos e sistemas desenvolvidos pela Celepar para as mais diferentes áreas”, acentuou o diretor da Celepar, enumerando os vários decretos e leis aprovados no Estado a fim de garantir o software público como um bem coletivo.

 

O Paraná foi o primeiro estado brasileiro a prever em lei o uso preferencial do padrão ODF (Open Format Document) para a confecção e armazenamento de documentos no meio digital. Também através de lei específica, o governo disponibiliza todos os os softwares de titularidade de qualquer órgão estadual para uso, adaptação e distribuição por qualquer interessado.

 

Para o diretor brasileiro da Itaipu Binacional, Jorge Miguel Samek, o software livre é o símbolo deste novo momento de integração e de evolução social que vive a América Latina. “Vivemos num mundo livre, onde as pessoas podem desenvolver o conhecimento e dispõem das ferramentas necessárias para isso”, disse Samek, que acentuou o importante papel do Parque Tecnológico de Itaipu (PTI) e as futuras atividades da Universidade da Integração Latino-Americana (Unila) como parte deste processo de “libertação do saber”, definiu.

 

Na mesma linha, o diretor-presidente do Serpro, Marcos Mazoni, afirmou que a América Latina vive um momento histórico, “uma oportunidade única, onde os povos do continente passam a ter voz e começam a construir um espaço independente, porém solidário e generoso para o compartilhamento de conhecimentos”.

 

Apresentações - Durante a Latinoware, a Celepar apresentou 28 palestras e oficinas – 13% da grade total - e participou de vários encontros de usuários sobre sistemas e ferramentas para as mais diversas áreas.

 

O destaque ficou com a suíte de comunicação Expresso, que além de correio eletrônico possui ferramentas de catálogo de endereços, agenda de eventos, gerenciador de fluxo de trabalho, mensageiro instantâneo e, em fase de integração, o serviço de voz sobre IP (VoIP).

 

Implantado em vários órgãos do Governo Federal e de outros estados, o sistema já chegou ao continente africano onde foi adotado como correio eletrônico oficial do governo da ilha de São Tomé e Príncipe.

 

No Brasil, cerca de 60 organizações fazem parte da Comunidade Expresso. Várias delas já estão colaborando em seu desenvolvimento, como são os casos do Serpro e da Companhia de Processamento de Dados da Bahia (Prodeb), que desenvolveram várias melhorias. Uma delas, a assinatura digital, será implantada em breve.

 

Outra importante solução desenvolvida pela Celepar em software livre está sendo adaptada pelo Serpro. A padronização dos métodos e padrões dos softwares construídos para o Governo Federal, foi baseada na Plataforma de Desenvolvimento de Sistemas da Celepar, o Pinhão Paraná.

 

De acordo com Elizier dos Santos, líder do projeto no Serpro, esse framework permitirá que o Estado tenha maior controle nas aquisições de soluções tecnológicas, trabalhe com sistemas padronizados e fomentará o mercado para o uso preferencial de plataformas abertas.

 

Outros casos de sucesso da Celepar em software livre, com palestras bastante concorridas na Latinoware, dizem respeito às soluções para as áreas da saúde e da segurança pública. No primeiro caso, os sistemas de Gestão de Assistência de Saúde do Sistema Único de Saúde (GSUS), implantado no início de agosto no Hospital de Reabilitação do Paraná; Farmácia Especial (Sisfarm), responsável pelo gerenciamento dos processos de atendimento aos usuários dos programas de assistência farmacêutica, implantado nas 22 Regionais da Secretaria da Saúde; e o sistema de controle do uso e dispensação de medicamentos especiais, que permite o acompanhamento de todos os processos e a atuação do Estado diante das prescrições, são os grandes destaques.

 

No setor de Segurança Pública, chamam a atenção os sistemas do Boletim de Ocorrência Unificado (BOU), alerta sobre furtos de veículos, registro policial e emissão de RG.

 

Outros aplicativos desenvolvidos para o Governo do Estado, - Central de Viagens, consulta online do Diário Oficial, gestão operacional de Datacenter, multiterminais na Rede Paraná Digital, conceitos, modelos e aplicação de software livre no Governo do Estado do Paraná, entre outros – lotaram as salas da Latinoware onde os técnicos da Celepar apresentaram as soluções.

 

Além das palestras, minicursos e reuniões, a Latinoware abrigou duas olimpíadas (robótica e algorítmos), que contribuíram ainda mais para o espírito de inovação da Conferência. “O desafio de consolidar uma integração real e eficaz é de todos nós”, afirmou o assessor de Assuntos Comunitários, Julian Fagotti, representante da Celepar na organização do evento, durante a plenária de encerramento. Para ele, a integração não acontece por romantismo, “mas porque os governos compreendem que existem riquezas de conhecimento e valores a serem compartilhados”.