A maior geradora de energia limpa e renovável do planeta

Valor Econômico - SP
Itaipu vai lançar caminhão e ônibus elétrico
Tamanho da letra
24/11/2008

Itaipu programa para o primeiro semestre de 2009 lançar as versões iniciais de um caminhão e de um ônibus elétrico, veículos que estão em desenvolvimento na estatal. A empresa, que lançou o projeto de um carro elétrico em 2006 e em parceria com a Fiat tem exposto o Palio elétrico em diversos eventos pelo país, decidiu expandir o programa para outros veículos. Cooperativas agrícolas procuraram a empresa interessadas em usar energia de biomassa como combustível para um veículo de transporte de cargas.

 

De acordo com o coordenador-geral do Projeto Veículo Elétrico da Itaipu, Celso Novais, que esteve em Florianópolis na semana passada para o Congresso Brasileiro de Energia Solar, o caminhão deverá estar pronto em março e o ônibus, em junho. Estão sendo investidos US$ 1,5 milhão pela Itaipu e parceiros no projeto.

 

A idéia de levar a tecnologia para ônibus e caminhão veio depois que fazendeiros conheceram o carro elétrico e demonstraram interesse em colocar o mesmo sistema em um veículo de carga, utilizando a energia de biomassa gerada por eles. "Hoje, muitas cooperativas usam energia de biomassa para consumo próprio e teriam insumo suficiente também para abastecer um caminhão, que poderia ser usado nas propriedades", diz Novais. Segundo ele, um "upgrade" do desenvolvimento do caminhão para o ônibus seria um caminho natural do projeto, uma vez que o ônibus utilizará o mesmo monobloco do caminhão, diferenciando-se apenas na carroceria.

 

O projeto do caminhão envolve a parceria com a Iveco, braço de caminhões do grupo Fiat. Ela fornecerá o monobloco e a carroceria. Já no desenvolvimento do ônibus, a carroceria será fornecida pela Mascarello, de Cascavel (PR), que está desenvolvendo um modelo específico para o projeto, feito principalmente de alumínio, material mais leve, que possibilita maior autonomia. Ambos os protótipos contarão com motores WEG, apesar do primeiro motor do caminhão ser fornecido pela suíça Mes-Dea.

 

Assim como no projeto do carro, Novais conta que Itaipu pretende mostrar a viabilidade técnica dos dois protótipos e não se envolver nas questões comerciais, que cabem aos outros parceiros do projeto. Segundo o executivo, ainda não está pronto um estudo de mercado.

 

No caso dos caminhões, as mesmas empresas de energia que compraram carro elétrico deverão interessar-se pelos caminhões. Entre elas estão a CPFL, a Cemig e a Copel, além dos Correios e cooperativas que já manifestaram interesse. Já os ônibus têm como foco o seu uso em pontos turísticos, como as Cataratas do Iguaçu (PR).

 

Como o carro, os protótipos do caminhão e do ônibus precisam ser plugados em uma tomada para o abastecimento com energia elétrica. Essa energia pode vir de qualquer fonte: solar, nuclear ou biomassa. Mas assim como ocorre no projeto de carro elétrico, a maior dificuldade ainda está em torno de uma boa autonomia para que os veículos tenham viabilidade econômica.

 

Novais explica que a autonomia tanto do ônibus quanto do caminhão será de um trajeto de 100 quilômetros a uma velocidade máxima de 80 quilômetros por hora, sendo necessário parar após esse percurso para recarregar. O caminhão levaria 5 mil quilos - considerando 2,5 mil quilos de carga. Já o ônibus é previsto para ter 22 lugares, sendo, portanto, um miniônibus. Cada veículo terá três conjuntos de baterias.

 

A empresa suíça KWO, que é parceira no projeto do carro na área de pesquisas, também atua em conjunto com a Itaipu nos novos protótipos de caminhão e ônibus. Embora o projeto de pesquisa do carro tenha prazo para ser finalizado no primeiro trimestre de 2011, ainda não há um prazo exato para o projeto de caminhão e ônibus, o que ainda depende da finalização dos protótipos.

 

Vários modelos Palio estão em testes - 10 deles na própria Itaipu. Os testes servem para a empresa certificar-se de quanto o carro suporta de colisão, interferências eletromagnéticas, calor e vibração. O caminhão e o ônibus deverão seguir testes similares no futuro.