A maior geradora de energia limpa e renovável do planeta

Webventure
Itaipu se torna opção de treinamento para estrangeiros da Slalom
Tamanho da letra
25/09/2007

Com o término do Campeonato Mundial de Canoagem Slalom, em Foz do Iguaçu (PR), o Canal de Itaipu, um dos melhores do mundo segundo os próprios atletas, passará a receber delegações de diversos países que queiram treinar em águas brasileiras. "Seremos uma nova opção para o treinamento das equipes européias, assim como hoje é a Austrália. Os alemães devem vir em fevereiro com 45 pessoas", comentou João Tomasini, presidente da Confederação Brasileira de Canoagem (CBCa).

O Canal ficou pronto no ano passado, após uma parceria entre CBCa, Itaipu Binacional e Governos Municipal e Estadual. No Mundial, cerca de 300 atletas de mais de 60 países participaram das competições do C1, C2 e K1 masculino e K1 feminino.

A pista possui 400 metros em formato de “U”, com um desnível de sete metros entre o início e o fim. "O Canal de Itaipu é um ótimo local de treinamento e terá um papel fundamental no desenvolvimento dos atletas brasileiros", afirmou Tony Estanguet, bicampeão olímpico do C1 e prata no Mundial do Brasil.

Desenvolvimento do esporte nacional - O principal legado deixado pelo Canal é o desenvolvimento da canoagem slalom no Brasil. A intenção da CBCa é criar escolhinhas em Foz do Iguaçu, além de fortalecer a equipe permanente que já mora na cidade.

"Até então os locais de treinamento eram escassos, ou quase inexistentes, fato que pode ter dificultado um pouco o desenvolvimento do esporte no país. A partir de agora, em um futuro muito próximo, os atletas brasileiros estarão colhendo os frutos", comentou Fabíola de Almeida, canoísta brasileira do K1 e integrante da seleção permanente.

A única brasileira que passou para as semifinais, Milene Wolf, espera que o Canal se transforme em uma grande escola. "A pista poderá ser utilizada principalmente por jovens da região, pela facilidade de locomoção, mas também poderá ser um grande centro de treinamento", comentou a atleta que começou na canoagem graças a projetos sociais de Piraju (SP), onde nasceu.

A prefeitura da cidade já deu o ponta-pé inicial e está incentivando a prática do caiaque pólo nas escolas do município, fornecendo infra-estrutura e equipamentos.