A maior geradora de energia limpa e renovável do planeta

Gazeta do Iguaçu - PR
Humanização é tema de capacitação
Tamanho da letra
27/08/2009

Depois de conceituar os distúrbios mentais mais comuns na Tríplice Fronteira como depressão, transtornos alimentares, estresse e histeria, os técnicos que atuam na atenção básica no Brasil, Paraguai e na Argentina participam nos dias 28 e 29 do segundo módulo da "Capacitação para uma Prática em Saúde Mental", promovido pelo Programa Saúde na Fronteira, da Itaipu Binacional.
   
Desta vez, enfermeiros, médicos, psicólogos e psiquiatras discutirão a importância da humanização nos hospitais e na oferta de um serviço mais qualificado. Para os especialistas, promover um atendimento humano vai além de medicar ou prescrever uma receita.
  
Segundo a psiquiatra paraguaia Mirta Mendonza, integrante do Grupo de Trabalho Itaipu Saúde (GT-Itaipu Saúde), para proporcionar uma assistência de qualidade, os atendentes precisam buscar a origem da doença, sobretudo em casos de problemas psíquicos. "Somente conhecendo os motivos, poderemos disponibilizar um tratamento mais eficaz", afirmou. Na avaliação dela, o diálogo entre médico e paciente é a melhor opção, para não dizer o melhor remédio.
  
De acordo com o coordenador do GT-Itaipu Saúde, Joel de Lima, assistente do diretor-geral brasileiro, Jorge Samek, a proposta deste treinamento é justamente preparar os técnicos para diagnosticar os possíveis distúrbios mentais apresentados pelos pacientes que chegam, diariamente, aos postos de saúde. Desta forma, sintomas leves podem ser tratados no próprio posto, enquanto aqueles com disfunções crônicas, encaminhados às unidades especializadas. No caso dos brasileiros, conduzidos aos Centros Atenção Psicossocial (CAPs).
  

Seis passos

Conforme aponta Joel, para garantir o resultado, o curso foi dividido em seis módulos com aulas duas vezes por mês. No primeiro, realizado em julho, foram apresentadas as doenças mais comuns na Tríplice Fronteira. Segundo pesquisas do Ministério da Saúde Pública e Bem-Estar Social do Paraguai, os depressivos estão no topo do ranking, seguidos dos anoréxicos e bulímicos.
  
Agora, depois de conhecer as doenças mais recorrentes e a maneira como se apresentam, o tema será a humanização nos serviços. No terceiro módulo, marcado para setembro, o assunto da pauta será as formas utilizadas na prevenção e no tratamento das pessoas portadoras de transtornos psicológicos no Brasil, Paraguai e na Argentina.
  
Na quarta fase, a "Dependência Química" estará em pauta — prevenção e identificação de um dependente, os efeitos no organismo e o papel da família na recuperação. A matéria principal do quinto encontro abordará os adolescentes e os problemas relacionados a este público, como, por exemplo, delinquência, drogadição e sofrimento psíquico. Em dezembro, o último módulo da capacitação focará a necessidade do trabalho em rede: saúde, educação e assistência social.
  
Todas as aulas estão sendo ministradas no Parque Tecnológico Itaipu (PTI).