A maior geradora de energia limpa e renovável do planeta

O Globo - RJ
Foz do Iguaçu Itaipu
Tamanho da letra
22/01/2009

O segundo destino mais visitado e m Foz, depois do parque, é a Hidrelétrica de Itaipu, a 7 km do Centro da cidade. A usina binacional (construída pelos governos de Brasil e Paraguai) oferece boas opções de passeio aos seus visitantes. O circuito especial, criado há pouco mais de dois anos, colocou a hidrelétrica de vez no mapa do turismo local. Nele, é possível conhecer a parte interna da usina, com mais de cem metros de altura, o vertedouro, a barragem de contenção de 8 quilômetros de extensão, e observar a vista para o Lago de Itaipu.

 

O passeio é feito de microônibus, com paradas para fotos nos pontos mais interessantes.

 

Antes de embarcar, o visitante assiste a um vídeo institucional de 15 minutos no Centro de Recepção. Nele são revelados detalhes da construção da usina, que levou mais de 30 anos para ficar pronta — apenas em 2007 ela foi totalmente concluída, com a ampliação da capacidade de produção de energia de 12.600 megawatts para 14 mil megawatts. Em 2008, Itaipu atingiu o recorde histórico de produção de energia, com a geração de 94.684.781 megawattshora.

 

Cleiton Cerutti, gerente operacional do complexo turístico de Itaipu, conta que tudo no local é dividido meio a meio entre Brasil e Paraguai, desde a energia produzida até o número de funcionários.

 

Dos três mil empregados da hidrelétrica, 1.500 são brasileiros e 1.500 são paraguaios.

 

Atualmente, Itaipu fornece 19,3 % da energia consumida no Brasil, e abastece 91% do território paraguaio.

 

A primeira parada do circuito especial é na Estação Mirante Central, com vista panorâmica da barragem e do vertedouro. Para se ter uma idéia de dimensão da barragem, o guia informa que a quantidade de concreto utilizada na sua construção seria suficiente para erguer mais de 200 Maracanãs.

 

Mais à frente, há uma parada para observar os condutos, enormes tubos brancos que escoam até 700 mil litros de água por segundo, ou cerca da metade da vazão das Cataratas do Iguaçu, em cada um deles. A água faz as turbinas girarem.

 

Após os condutos, entra-se na usina. Tudo é muito grande e alto. A visita começa pela estação do edifício da produção, onde ficam os equipamentos que mantêm a hidrelétrica em operação. É possível observar o eixo de uma turbina em atividade. De lá, seguimos para a Sala de Comando Central, onde operários brasileiros e paraguaios controlam a hidrelétrica por painéis eletrônicos.

 

Depois, conhece-se a galeria dos geradores, onde ficam as 20 unidades produtoras de energia. Por fim, voltase ao salão de recepção.

 

Outro destaque do passeio é o Canal do Piracema (palavra de origem indígena que significa cardume ou desova), construído para permitir a migração dos peixes para as áreas de reprodução, que ficam depois da barragem.

 

Todas as sextas-feiras e sábados, a partir das 21h, a barragem da hidrelétrica ganha a iluminação especial de mais de 500 refletores. O show de luz pode ser apreciado ao som de grupos musicais contratados pela usina.

 

Outras atrações do complexo são o Ecomuseu, que conta, por maquetes, a construção de Itaipu em detalhes, e o Refúgio Ecológico Bela Vista, unidade de proteção criada para receber espécies de plantas e animais que foram prejudicadas pela construção do reservatório.