A maior geradora de energia limpa e renovável do planeta

Jornal Umuarama Ilustrado - PR
Dejetos de suínos podem gerar muita energia
Tamanho da letra
28/08/2009

O aproveitamento dos dejetos de suínos para a geração de energia, em todo o Brasil, poderia alcançar 1 milhão de MWh, o suficiente para atender ao consumo de 4,7 milhões de pessoas. A projeção é explicada no livro Agroenergia da Biomassa Residual: perspectivas energéticas, socioeconômicas e ambientais, lançado durante o 4.º Congresso Internacional de Bioenergia na semana passada.
   
De autoria de José Carlos Libânio, Mauro Márcio Oliveira, Maurício Galinkin e Cícero Bley, o livro estima em 900 milhões de toneladas a quantidade de esterco produzida anualmente pelo rebanho brasileiro de suínos, sendo 180 milhões provenientes de animais criados em estábulos e cujos resíduos poderiam ser aproveitados para a geração de biogás.
   
Além de garantir a autossuficiência energética para o produtor e a possibilidade de comercialização do excedente para a distribuidora de energia, a biodigestão dos resíduos também possibilita renda extra pela venda de créditos de carbono decorrentes da captura de gases do efeito estufa.
  
PARANÁ – “Os resíduos têm valor e este valor deve ser utilizado”, afirma José Tubino, da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO-Brasil). Ele cita a iniciativa pioneira da Copel junto a suinocultores da Região Oeste do Paraná, utilizado como estudo de caso no livro, como exemplo do ganho que a biodigestão de dejetos orgânicos para a produção de energia pode proporcionar para o produtor e para o meio ambiente.
  
A produção de energia elétrica a partir de resíduos no oeste paranaense foi efetivada em fevereiro, quando a Copel assinou, com suinocultores locais, seis contratos para a produção de 524 kWh ao longo de 42 meses. Realizada em parceria com a Itaipu Binacional, a experiência subsidia a regulamentação da geração distribuída de energia, cujo marco legal está sendo discutido em Brasília atualmente.