A maior geradora de energia limpa e renovável do planeta

G1 (RJ)
‘O Cultivando Água Boa precisa ser aplicado em todo o país’, diz Lula
Tamanho da letra
21/11/2014

“A experiência do Programa Cultivando Água Boa já vem sendo replicada em muitos países. Este é o caso de se perguntar por que não aplicar este modelo aqui mesmo no Brasil em todas as outras hidrelétricas e todas as outras bacias hidrográficas? Podemos fazer deste modelo uma regra a ser seguida”, sugeriu o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva durante o discurso no 12º encontro anual do CAB realizado em Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná, nesta quinta-feira (20). O evento dirigido a catadores, pescadores, indígenas, pequenos agricultores e educadores ambientais reúne cerca de três mil pessoas.
   
Lula elogiou o trabalho de proteção ambiental que vem sendo desenvolvido na região há 12 anos. “A água é a essência da vida e, por mais abundante que possa parecer, a boa água não é um recurso infinito. Há duas maneiras de se tomar consciência dessa realidade. Uma delas é pela educação ambiental, pelo respeito ao conhecimento dos povos indígenas e pela prática cotidiana de ações sustentáveis que começam na nossa casa ou por meio dos desastres ambientais que afetam a vida de milhões nas grandes cidades”, assinalou.
    
“A água que move as turbinas de Itaipu é a mesma que traz o peixe para a aldeia guarani, é a mesma que irriga a pequena propriedade rural e é a mesma água que será tratada e canalizada para servir a população das cidades”, destacou o ex-presidente. “Ou vamos todos trabalhar para preservá-la ou vamos todos sofrer com a poluição e com a escassez”, apontou Lula ao citar o Programa Cultivando Água Boa como um exemplo de que é possível combinar na prática ações ambientais com programas de desenvolvimento humano em larga escala.
    
O ex-presidente sugeriu ainda que os royalties pagos como indenização aos governos das áreas atingidas por Usinas hidrelétricas sejam administrados não mais pelos estados e municípios, mas pela comunidade "para que seja garantida a autonomia e fortalecido o poder de decisão desta população sobre as melhores ações ambientais". O repasse feito pela Itaipu varia conforme a geração de energia destinada à comercialização em cada mês. No dia 10 de novembro, foram pagos US$ 8,1 milhões ao Tesouro Nacional e US$ 6,2 milhões ao Paraná e aos 15 municípios vizinhos à hidrelétrica.
    
Criado em 2003, atualmente o CAB conta com 2,2 mil parceiros que desenvolvem programas socioambientais em 29 municípios vizinhos à hidrelétrica de Itaipu, região que abrange mais de 1,8 milhão de habitantes. Entre as principais ações estão a recuperação até então de 206 microbacias hidrográficas do Rio Paraná e a educação ambiental nas comunidades do entorno do reservatório da Usina, além do apoio à agricultura orgânica e familiar, à aquicultura, ao cultivo de plantas medicinais, à proteção das comunidades indígenas e à criação de cooperativas de catadores de materiais recicláveis.